12 de outubro de 2009

O que importa mesmo em um texto? Uma palavra torta no meio da linha reta do falso pensamento. Não, percalço. O salto de extrair-se de algum espaço. Rechaço. Cansaço. Extravagâncias do ser de fato. Sem fato. Hiatos de pensamento. Pontos entre palavras, entre frases, entre poetas e pedaços. Pedaços de sonhos, de espaço. Pedaços de fome, de gente, de nomes. O que mesmo importa em um texto? Não lembro o nome, será que dei um nome? Não ser ele mesmo. Não ter que ter nome. Ter espaços. Em que importa mesmo o texto? Em não se fazer entender. Em ser ele mesmo. Sem ser. Em ter espaços. Em não ter tempo de se ler. O que importa em um mesmo texto? Desdizer o que disse sem precisar ser outro. Poder esquecer a fonte, o nome, o endereço. O mesmo, o que importa em um texto? Não ser ele mesmo e não ser outro. Esquecer o tempo, a fonte, o nome, o pré-texto. Ter estado em sua fronte, facínora de si. Em repetir-se sem sobressair. Mentir-se para si. O texto mesmo em que importa? Nãoestar nele o que importa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário